Santarém e Alter do Chão

Descubra a Floresta Nacional do Tapajós

Sumauma centenária

Descubra a Floresta Nacional (FLONA) do Tapajós, unidade de conservação federal na categoria de floresta nacional, com aproximadamente 527.000 hectares – mais de 160 quilômetros de praias (de setembro a dezembro) – e grande diversidade de paisagens amazônicas e expressiva riqueza sociocultural, representada por aproximadamente 500 indígenas da Etnia Munduruku e pelos mais de 4000 moradores tradicionais – populações ribeirinhas com hábitos culturais próprios – que vivem em 25 comunidades na região, desde antes da criação da unidade.


Os destaques deste programa incluem

  • Navegar pelas águas verdes e mornas do Rio Tapajós.
  • Conhecer e conviver com as comunidades tradicionais da floresta e a produção artesanal de látex da floresta.
  • Caminhar na Floresta e conhecer as árvores gigantes da Amazônia.
  • Tomar banho de igarapé.

Itinerário

08:30. Saída de lancha para visita à Floresta Nacional do Tapajós (FLONA).

09:30-13:30. Chegamos à comunidade de Maguari, um povoado com aproximadamente 50 famílias, cuja economia é baseada na utilização sustentável dos recursos naturais da floresta. Não perdemos tempo e em seguida iniciamos uma caminhada de 3 a 4 horas pela floresta, onde encontramos diversas árvores imponentes, de grande valor medicinal e alimentar para as comunidades locais, nosso objetivo é chegar até a centenária e gigantesca Sumaúma.

13:30. Chegamos de volta à comunidade para o almoço rústico, na casa de uma das famílias moradoras da comunidade.

14:30. Após o almoço e um merecido descanso, vamos aprender um pouco sobre a produção de bolsas e outros artigos artesanais feitos do látex – o “couro vegetal” extraído das seringueiras. Para fechar nossa visita, saímos para banho no igarapé da comunidade vizinha, chamada Jamaraquá, que possui um aquário natural repleto de peixes e decorado com um jardim submerso.

17:00. Iniciamos nosso retorno para Alter do Chão, no caminho apreciamos o pôr do sol.


Notas sobre o itinerário

O itinerário acima está atualizado e pode estar diferente de algum material impresso anteriormente. Ocasionalmente fazemos melhorias em nossos itinerários, baseados em sugestões de nossos viajantes ou em nossas próprias pesquisas. Seu guia local irá informá-lo sobre qualquer mudança em seu primeiro encontro com o grupo no início do passeio.


Itens incluídos

Passeio descrito, almoço rústico na comunidade, acompanhamento de condutor especializados, traslados fluviais, água e lanche regional.


Itens não incluídos

O seguro é opcional. Não estão incluídos outros itens que não estejam expressamente informados acima como itens incluídos.


O que trazer

  • Uma mochila pequena para colocar sua água e demais pertences e equipamentos de uso diário.
  • Saco impermeável para proteger seus equipamentos e pertences que não podem ser molhados pela chuva ou por uma eventual queda na água
  • Calças compridas para caminhadas, preferencialmente de material sintético para secagem rápida
  • Camisas de mangas longas protegem do sol e dos mosquitos
  • Roupas de banho
  • Capa de chuva
  • Chapéu ou boné
  • Óculos de sol
  • Um par de botas para caminhadas, preferencialmente impermeável
  • Protetor solar e repelente contra insetos
  • Seus medicamentos habituais
  • Câmera fotográfica
  • Binóculos

Descrição do local

A Floresta Nacional do Tapajós é uma importante unidade de conservação da natureza localizada na Amazônia, mais precisamente às margens do Rio Tapajós, na região do estado do Pará. Criada em 1974, é uma unidade de conservação federal na categoria de floresta nacional, com aproximadamente 527.000 hectares – mais de 160 quilômetros de praias – a unidade apresenta grande diversidade de paisagens amazônicas. A cobertura florestal fortemente preservada, o Rio Tapajós com suas águas verdes e mornas, e a enorme beleza cênica da região tornam a FLONA do Tapajós uma das unidades de conservação mais visitadas na região norte do Brasil. A Floresta Nacional do Tapajós também apresenta expressiva riqueza sociocultural, representada por aproximadamente 500 indígenas da Etnia Munduruku, divididos em três aldeias – Bragança, Marituba e Takuara. Essa riqueza cultural também é representada pelos mais de 4000 moradores tradicionais – populações ribeirinhas com hábitos culturais próprios – que vivem em 25 comunidades na região, desde antes da criação da unidade. (Fonte: http://www.icmbio.gov.br/flonatapajos/)


Consulte disponibilidade